Proveitos continuam a crescer mais do que o número de visitantes — INE

Turismo acelerou em março e dormidas subiram 10,3%

As dormidas dos portugueses no Algarve cresceram, durante este período, 25,1% (+14,6% em Fevereiro), enquanto os mercados externos apresentaram um aumento menos significativo, na ordem dos 2,3% (-1,2% em Fevereiro).

O mercado britânico (18% das dormidas de não residentes) recuou 5,6% em março, mantendo a tendência dos últimos meses, registando no primeiro trimestre de 2018 uma diminuição de 5,9%. Os números foram impulsionados pelo efeito Páscoa, no mês de Março, que se reflectiu no trimestre. De acordo com dados esta terça-feira divulgados pelo INE, o número de hóspedes cresceu 11,6%, para 1,5 milhões, e as dormidas subiram 10,3% para quatro milhões.

Segundo a AHETA, os proveitos dos hotéis do Algarve caíram em abril 16,3%, e em termos acumulados, desde o início de 2018, a taxa de ocupação por quarto registou uma descida de 2,2%, mas o volume de negócios aumentou 2,4%.

Em março destacaram-se ainda os crescimentos de 16,3% do mercado interno, a par da subida em flecha de 75,1% dos espanhóis (turistas para quem a Páscoa é tradicionalmente um período relevante para férias).

As dormidas de hóspedes dos Países Baixos (5% do total) recuaram 17,1% em março.

Quanto a França (8,1% do total de dormidas), registou-se um aumento de 11,8% em março, um valor superior ao verificado no primeiro trimestre do ano (+11,3%). Nos primeiros três meses do ano, este mercado tinha diminuído 11,7%, "dando continuidade às reduções verificadas desde o segundo trimestre de 2017".

Turismo acelerou em março e dormidas subiram 10,3%
Turismo subiu 10,3% em março com o efeito da Páscoa

Analisando os dados trimestrais, Espanha também se destaca como o mercado que mais cresce (+30%), seguido dos mercados sueco (+22,8%), norte-americano (+22,3%) e brasileiro (+16,3%).

No que se refere ao primeiro trimestre do ano, as dormidas de hóspedes alemães (16,4% do total) registaram um aumento homólogo de 1,3% apesar de em Março ter havido uma ligeira redução de 0,2%.

O documento do Gabinete da Secretaria de Estado do Turismo esclarece ainda que "a atividade continua a crescer ao longo de todo o território, com particular destaque para o Alentejo, que cresceu 29,9%, mas também para o Norte, que expandiu 18,9%, e Centro, com 17,4%".

Segundo a agência de estatísticas portuguesa, a estada média (2,64 noites) reduziu-se 1,1% (+4,7% no caso dos residentes e -3,2% nos não residentes).

Os aumentos acrescidos nas dormidas refletiram-se, naturalmente, nos proveitos, os quais, no total, apresentaram um crescimento de 17,5% e atingiram 220,5 milhões de euros.

Por tipologia, o maior aumento do RevPar foi nas pousadas (+32,1%).

Notícias relacionadas: