MPT notifica Globo por falta de negros em novela e recomenda mudanças

Reprodução TV Globo Emissora pode responder ação judicial caso não inclua maior representatividade racial

Nesta sexta-feira (11), o Ministério Público do Trabalho notificou a emissora e deu 10 dias para que ela aumente a representatividade racial na trama, informou a Veja.

De acordo com a socióloga Ângela Guimarães, presidenta da Unegro, a ação, que é assinada pelo advogado Egberto Magno, pede na justiça que seja concedida liminar para obrigar a Globo a incorporar negros e negras nos próximos capítulos a serem gravados e que haja atores e atrizes negros em papéis protagonistas, sendo que, "se para implementar essas obrigações for necessária a readequação do roteiro, que sejam adotadas as medidas pela emissora". Desde a divulgação do primeiro teaser da novela das 9, em abril, a trama causou revolta nas redes por ser ambientada em Salvador, cidade com a maior população negra fora da África, e, mesmo assim, ter pouquíssimos atores negros no elenco.

No documento, o MPT faz 14 recomendações à empresa, como a realização imediata de um censo entre os trabalhadores que prestam serviços à empresa, com recorte de raça/cor e gênero, e um levantamento da quantidade de artistas negros e negras que aparecem em novelas, séries, propagandas, programas de entretenimento, entre outros produtos produzidos pela empresa, bem como o de jornalistas e comentaristas.

"O MPT entende que o não espelhamento da sociedade nos programas televisivos gera a perpetuação da exclusão e reafirma estereótipos de limitação de espaços a serem ocupados pela população negra".

Segundo o parecer, pelo fato da novela se passar na Bahia, o folhetim não estaria representando a diversidade racial do estado, que de acordo com o IBGE, 80% da população é composta por pardos e negros. Inclusive, o canal da família Marinho foi notificada pelo Ministério Público do Trabalho, sendo recomendada a expandir o núcleo negro do enredo.

"Decidimos expedir essa nota, com o fim de mostrar a importância de a empresa respeitar a diversidade racial". O descumprimento da medida pode resultar em ação judicial.

Notícias relacionadas: