Israel lança raide aéreo contra "alvos terroristas" em Gaza — Jerusalém

Embaixada dos EUA em Jerusalém inaugurada com mensagem de Trump por vídeo

A mudança da embaixada não poderia vir em momento mais simbólico.

No local, milhares de pessoas se manifestam contra a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Telavive para Jerusalém. O presidente Donald Trump discursará na cerimônia desta segunda-feira (14) por vídeo, e vai ser representado por sua filha, Ivanka Trump, e seu genro e assessor Jared Kushner.

"Rejeitamos a decisão, que viola o direito internacional e as resoluções das Nações Unidas". Já Israel considera a cidade como a sua capital "eterna e indivisível". Porém, esta transferência não mudará a "vontade dos palestinianos", garantem os moradores de Jerusalém, que preparam manifestações em larga escala.

Trump fez ainda coincidir o evento com a comemoração do 70.º aniversário do nascimento do Estado de Israel, proclamado a 14 de maio de 1948.

Cerca de 800 convidados são esperados para a abertura nesta segunda-feira, incluindo 11 membros republicanos do Congresso, bem como autoridades americanas e israelenses e líderes empresariais. No Twitter, ele afirmou que a cerimônia de inauguração será transmitida ao vivo pela rede americana de TV Fox. O apoio internacional é assim bastante reduzido.

Ela fica em um prédio onde antes ficava o consulado dos EUA na cidade, no bairro de Arnona. Uma instalação maior será escolhida posteriormente. O número de vítimas mortais cifrar-se-á em mais de 30. Israel justifica o recurso a munições reais com a necessidade de prevenir a violação da fronteira.

Segundo a agência EFE, as forças israelitas alertaram a população para não se aproximarem da linha divisória, pelo que terão disparado gás lacrimogéneo contra os manifestantes, de modo a impedir que se aproximem do portão de segurança.

Alguns poucos países, entre eles Guatemala e Paraguai, anunciaram que vão seguir Washington e também vão mudar suas embaixadas.

Revelou ainda que "há outros países" que estão a avaliar a possibilidade de fazerem o mesmo, mas recusou adiantar quais.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, em sintonia com Trump ao cumprir uma promessa de longa data dos EUA, voltou a louvar o gesto americano.

O Beitar Jerusalém, clube fundado em 1936, venceu seis Ligas Israelitas na sua história (a última foi em 2007/08), assim como sete Taças de Israel e duas Supertaças.

O status de Jerusalém está no coração do conflito entre israelenses e palestinos - ambos veem a cidade como sagrada e a querem como sua capital.

A Palestina se posicionou contra a medida imediatamente, afirmando que a decisão colocaria em risco o futuro das negociações de paz com Israel. É o caso de Portugal. "Que haja paz. Que Deus abençoe esta embaixada, que Deus abençoe todos os que servem nesta embaixada e que Deus abençoe os Estados Unidos da América", disse.

Milhares de palestinos se concentraram em pontos próximos à divisa com Israel.

Com um histórico de instáveis processos de paz, a cidade de Jerusalém - que é considerada sagrada para islâmicos, judeus e cristãos - era o ponto nevrálgico da relação entre os Estados.

Notícias relacionadas: