Ex-prefeito de SP, Haddad é denunciado por crime eleitoral

Ex-ministro brasileiro acusado por financiamento irregular de campanha

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), foi denunciado na noite dessa quinta-feira (10) pelo promotor Luiz Henrique Dal, da justiça eleitoral, por caixa 2 na campanha de 2012. O promotor imputa a Haddad falsidade ideológica e conteúdo falso na prestação de contas de 2012. O crime prevê prisão por até cinco anos e inelegibilidade.

A denúncia é consequência das delações do empresário Ricardo Pessoa, da UTC, à operação Lava Jato em 2016. Segundo ele, Haddad terá solicitado contribuições eleitorais da ordem de R$ 3 milhões para sua campanha pela prefeitura em 2012.

"Haddad omitiu informações, bem como inseriu dados inexatos, que não correspondem à realidade", disse Dal Poz.

Por meio de nota, a defesa de Haddad informou que ainda não teve acesso à denúncia. "Podemos afirmar desde logo que não há qualquer elemento que sugira que os valores tratados por Ricardo Pessoa tenham sido empregados em sua campanha". Todos os interesses da UTC na cidade de São Paulo foram contrariadas pela gestão Haddad. O Sr Vaccari jamais solicitou ou recebeu algum recurso de propina.

A promotoria acusa mais quatro pessoas na mesma denúncia: o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto; Francisco Macena, responsável pela contabilidade da campanha, e os empresários e donos das gráficas envolvidas no caso, Francisco Carlos de Souza e Ronaldo Cândido.

O G1 não havia localizado os demais denunciados até a publicação desta reportagem.

O Ministério Público estima o financiamento irregular em 2,6 milhões de reais (cerca de 616 mil euros) supostamente pagos pela construtora UTC Engenharia, implicada na rede de corrupção ligada à petrolífera estatal Petrobras. Já a defesa do ex-deputado Francisco Carlos de Souza disse que não houve lavagem de dinheiro e que a gráfica dele prestou os serviços contratados.

Notícias relacionadas: