Beyoncé faz apresentação histórica no festival Coachella

O conjunto Versace usado por Thássia Naves

Rio de Janeiro - O show da volta da cantora Beyoncé aos palcos, no sábado (14), depois de um período em que passou cuidando dos filhos gêmeos Rumi e Sir (nascidos em julho), mobilizou o festival Coachella, na cidade de Indio, na Califórnia. Tudo acompanhado por uma banda marcial e uma trupe de cem dançarinos.

Além da reunião da girl band, Beyoncé performou ao lado da irmã, Solange, e do marido, o rapper Jay-Z.

Perante um público eufórico, a eterna "Queen B", como é carinhosamente apelidada pelos fãs, levou a palco um reportório bem conhecido, onde não faltaram os sucessos "Crazy in Love", "Drunk in Love" e "Formation".

"Obrigado por me deixar ser a primeira mulher negra a ser a principal atração do Coachella ", disse a artista em uma performance sem descanso que ligava músicas com coreografia milimétrica, fragmentos teatrais e recursos visuais de todos os tipos.

A cantora incluiu um trecho do trecho de um discurso de Malcolm X, um dos líderes nas décadas de 1960 e 1970 que reivindicava direitos civis para a população negra, durante a música Don't Hurt Yourself. "Eu espero que vocês tenham gostado, trabalhamos duro", finalizou.

Um dos momentos mais icônicos, que transformou o nome do festival para os fãs, foi uma base da voz de DJ Khaled: "Depois dessa performance, eles têm que mudar o nome para BeyChella".

Notícias relacionadas: