Só um idiota envenenaria Skripal com essa substância — Criador' de Novichok

Momento em que Sergei Skripal foi detido pelas autoridades russas em 2004 acusado de ser um agente duplo

O The Guardian conta que, no documento, é possível ler que o novichok, o agente nervoso utilizado para envenenar Sergei Skripal e a filha, foi desenvolvido no centro de pesquisa russo em Shikhany, como parte de um programa de armas químicas sob o nome de código "Foliant".

"Desde 2006, houve inúmeros assassinatos fora da antiga União Soviética que, suspeita-se, foram patrocinados pela Rússia", acrescentou o assessor, citando, em particular, a morte em 2006 de Alexander Litvinenko, um ex-espião russo que bebeu um chá com uma substância radioativa em um hotel de Londres.

A aplicação destas substâncias nas maçanetas de portas foi uma das técnicas experimentadas, explica Sedwill, e suspeita-se que foi utilizada para atentar contra os Skripal. "Não restam dúvidas sobre o que foi usado e não há outra explicação sobre o que aconteceu -apenas a Rússia tinha os meios, os motivos e as razões", disse.

A Rússia acusou nesta quinta-feira o Reino Unido de "reter pela força" Yulia Skripal, envenenada em 4 de março com seu pai, o ex-espião russo Serguei Skripal, que na véspera recebeu alta do hospital onde estava internada.

A Rússia nega estar por trás do envenenamento, que deu início a uma crise com o Ocidente e expulsão de dezenas de diplomatas dos dois lados, lembrando muito a época da Guerra Fria.

"Trata-se de um novo excesso deste político, já estamos acostumados", prosseguiu Lavrov, referindo-se ao chanceler britânico Boris Johnson.

O governo britânico decidiu divulgar detalhes nesta sexta-feira (13) do relatório confidencial que investigou o envolvimento da Rússia no envenenamento do ex-espião Serguei Skripal.

A organização, que acrescentou que o agente neurotóxico "era de grande pureza", não quis comentar quem cometeu o ataque que deixou Skripal e sua filha, Yulia, à beira da morte em 4 de março, embora ambos tenham sobrevivido.

"Os resultados das análises dos laboratórios (.) confirmam as descobertas do Reino Unido a respeito da identidade do químico tóxico usado em Salisbury e que feriu três pessoas gravemente", afirma a organização com sede em Haia em um relatório apresentado em Londres.

Moscou reiterou que não apenas interrompeu a produção do gás neurotóxico Novichok, alegadamente usado para envenenar Skripal, mas também destruiu todos os seus estoques, o que foi confirmado por observadores internacionais da Organização para a Proibição de Armas Químicas. O ataque tem sido atribuído ao regime russo e provocou a expulsão de vários diplomatas do país por parte de diversas nações europeias.

Johnson também pediu a convocação de uma reunião de emergência da Opaq para 18 de abril para discutir os próximos passos.

O Conselho de Segurança da ONU já debateu o ataque no Reino Unido duas vezes.

Notícias relacionadas: