DF registra primeiro caso de gripe H1N1 em 2018

Vacina Gripe H1N1

O homem morreu na última quarta-feira no Hospital Regional de Gurupi.

O secretário de Saúde, Humberto Fonseca, confirmou que, nessa terça-feira (10/4), o Distrito Federal registrou o primeiro caso de morte por H1N1.

O Brasil possui uma rede de unidades sentinelas para vigilância da influenza, distribuídas em serviços de saúde de todas as unidades federadas, que monitoram circulação do vírus influenza por meio de casos de síndrome gripal (SG) e síndrome respiratória aguda grave (SRAG). Ela chegou a ficar internada, mas se curou da doença. Ao contrário do ano passado, o vírus da H1N1 começou a circular no Estado com casos registrados e acende o sinal vermelho para o risco de uma nova epidemia.

"No ano passado, não tivemos nenhum caso". Já no resto do País, a imunização seguirá normalmente conforme o calendário. Sobre uma possível mutação do vírus Influenza A, Fonseca reforçou: "As vacinas são adequadas e constituem a forma mais eficaz de prevenção de novos casos". "Agora a ameaça do novo vírus é preocupante devido às complicações mais severas da doença que podem até levar à morte". A informação é da Secretaria de Saúde do DF e, segundo a pasta, o caso refere-se a uma criança de 1 ano e três meses, que não teve nome e idade revelados, por motivos de segurança. Além do público infantil, os grupos considerados de risco são gestantes, pacientes com doenças crônicas e idosos. Nos postos da rede pública, só a partir do dia 23. A previsão da Secretaria de Saúde é de que mais de 700 mil doses cheguem ao DF, sendo que o primeiro lote deve contar com 280 mil doses.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou, através de nota, que o estado descarta que a morte do caminhoneiro Rodrigo Nestor Ferreira, 42 anos, tenha sido provocada pelo vírus da gripe H1N1.

"O Dia D" da ação ocorrerá no dia 12 de maio.

Poderão se vacinar de forma gratuita aqueles que fazem parte dos grupos prioritários. "Essa vacina chegando no final da próxima semana, iniciaremos imediatamente a vacinação dos grupos de risco, ou seja, pessoas idosas, gestantes, trabalhadores da área de saúde, professores, pessoas que estão em situação de privação da liberdade, para que nós possamos proteger ainda mais a população", disse.

Notícias relacionadas: