Sem avisar, Facebook deleta mensagens de seus executivos para outras pessoas

Facebook admite a Bruxelas que até 2,7 milhões de utilizadores na UE possam ter sido afetados

"Estamos começando isso nos EUA e expandindo para o resto do mundo nos próximos meses", disse Zuckerberg em sua página no Facebook. "Mas deixarão mais difícil repetir o que os russos fizeram durante as eleições (americanas) de 2016 e utilizar contas falsas e páginas para publicar anúncios", afirmou Zuckerberg.

Em comunicado, a empresa afirmou que o recurso de destruir as mensagens enviadas foi criado para seu corpo de executivos após o ataque hacker que a Sony Pictures sofreu em 2014, que comprometeu informações pessoais de seus funcionários e cópias de filmes que ainda não haviam sido lançados. Para serem autorizados, "os anunciantes precisarão confirmar sua identidade e localização" e não poderão publicar "anúncios políticos até estarem autorizados". Também no contexto das já mencionadas novas regras europeias de proteção de dados e das questões mais amplas sobre o processo democrático. "Mark realmente sente muito por isso, e o que estamos fazendo agora é tomar medidas realmente firmes".

Sandberg foi perguntado pelo "Today Show" da NBC, se outros casos de uso indevido dos usuários pudessem ser esperados.

Com todos os problemas que o Facebook tem tido nos últimos tempos, não é lógico como os seus responsáveis e a própria rede social se está a expor noutras áreas.

"Isso era algo que deveríamos ter pego, deveríamos saber", disse ela à NPR.

A tempestade sobre os dados indevidos compartilhados provocou pedidos de investigações em ambos os lados do Atlântico.

O Facebook admitiu à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica.

Segundo o porta-voz da Comissão Europeia, Christian Wigand, "isto vai exigir mais discussões de acompanhamento com o Facebook sobre as mudanças implementadas".

Notícias relacionadas: