Lula decide nas próximas horas como cumprirá ordem de prisão

Desenho original personagem João Ferrador do jornal do sindicato

Desde às 19h desta quinta-feira (5), uma hora após ter a ordem de prisão decretada pelo juiz Sergio Moro, o ex-presidente Lula se encontra na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo.

Boulos interrompeu uma caravana pelo Nordeste e voltou a São Paulo nesta quinta-feira depois de o Supremo Tribunal Federal negar habeas corpus de Lula. Além disso, segundo o advogado, a defesa não foi intimada do acórdão que julgou os embargos de declaração em sessão de julgamento ocorrida em 23 de março deste ano. Considerou-o um "absurdo" e acusou o juiz Sérgio Moro "de sonhar" com a sua detenção.

Zanin falou com a imprensa e disse que a expedição do mandado de prisão contraria decisão proferida pelo próprio Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) de que deveria se esperar o término de todos os recursos possíveis de serem apresentados a este tribunal, o que ainda não ocorreu.

Segundo dirigentes petistas, a militância do partido e integrantes de movimentos sindicais e sociais - base histórica da sigla -, além de parlamentares, farão uma espécie de vigília no Sindicato dos Metalúrgicos, um dos berços do partido, onde estão desde ontem após a determinação da prisão. O petista tem até às 17h de sexta-feira (6) para se entregar.

Como mostrou a Folha de S.Paulo, o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, escalou emissários para negociar com o PT os termos para a prisão do ex-presidente.

A expectativa é para que o ex-presidente faça um discurso sobre sua prisão.

Lula foi condenado a 12 anos e um mês na ação penal do tríplex do Guarujá (SP), na Operação Lava Jato.

No despacho, Moro determina a autorização dos mandados de prisão para execução das penas contra José Adelmário Pinheiro Filho, Agenor Franklin Magalhães Medeiros e Luiz Inácio Lula da Silva.

Notícias relacionadas: