Romero explica polêmica com Santos e diz que se sente perseguido

Depois do ocorrido Romero foi o último a deixar o vestiário do Alvinegro sem dar qualquer palavra a respeito da declaração anterior

No último domingo (4 de março) após o empate em 1 a 1 entre Santos e Corinthians, no Pacaembu, pela 10ª rodada do Paulistão, o atacante Ángel Romero deu declaração polêmica sobre o clube rival, chamando-o de "pequeno" por conta da comemoração pelo resultado.

O paraguaio não conversou com jornalistas na saída do estádio e caminhou, com fones de ouvido, em direção ao ônibus do Corinthians.

Segundo o camisa 11 do Timão, há diferença no tratamento da imprensa esportiva aos jogadores estrangeiros e brasileiros. É time pequeno - disse Romero.

"Nunca falei pela grandeza do Santos, nunca disse que Santos não tinha história, como escutei". Só disse pelo que aconteceu dentro da partida. O jornalista disse 'esse argentino não joga nada, parece um paraguaio'. "Em nenhum momento disse que o Santos não tinha história, não teve Pelé, não teve Neymar e não teve Robinho", começou Romero. Não digo a torcida do Santos, mas os jornalistas se sentiram ofendidos, todos. Gostaria de ver como vocês reagiriam, como vocês fariam polêmicas sobre isso, e vi que a maioria dos jornalistas, jornalistas.

- Faz quatro anos que estou aqui no Brasil, e às vezes que vocês me criticam dentro do campo, está tudo bem, perfeito. Mas quando vocês falam de minha nacionalidade, do meu país, de onde nasci e de onde minha família é, daí não vou permitir.

O zagueiro santista ainda falou sobre o lance em que Romero caiu perto do banco de reservas do Santos e gesticulou como se tivesse sido agredido por algum reserva do "Peixe". E vocês estão, na maioria, insultando um país, que é diferente. "O cara me deu uma porrada, mas está tudo bem, faz parte do jogo". Um clube é parte do futebol, tem esse folclore. "Vou repetir para que não me entendam mal", afirmou o atacante em pronunciamento na tarde desta terça-feira no CT Joaquim Grava.

"Ele é um jogador que gosta de polêmica, todo mundo fala dele de maneira negativa". Mas se tratando do país é outra coisa.

"Não digo que agora que passou isso". O que vocês sentem hoje, eu sinto há quatro anos.

"Quero esclarecer que não só no Corinthians se vê essa situação e também com estrangeiros que vêm morar no Brasil". Acho que tem que ter mais respeito com jogadores que vêm jogar aqui.

Notícias relacionadas: