Governo discute nova política de preços com Petrobras, diz Meirelles

Embraer

O ministro negou, porém, qualquer possibilidade de mudança na política de preços da Petrobras que, segundo ele, é "autônoma" e "baseada na eficiência cooporativa". Deste modo, uma eventual mudança na tributação sobre combustíveis, envolvendo o PIS/Cofins, teria de ser feita, necessariamente, para baixar a tributação.

Ainda de acordo com a estatal, o principal componente dos preços dos combustíveis tem sido a "carga tributária" imposta pelo governo.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta quarta-feira (7), que o governo inicia um processo de avaliação se haveria ou não a possibilidade de alterar impostos que incidem sobre combustíveis, mas que não há um prazo definido para uma decisão sobre o tema.

A Petrobras deu uma resposta incisiva à fala do ministro, que mexeu com as ações da estatal, ressaltando que a política de preços é de sua exclusiva alçada e que não pretendia mudá-la.

Essa nova política, segundo o ministro, vai incluir também o preço gás de cozinha.

Segundo Meirelles, além do custo nas refinarias, pesam no preço itens como impostos e a margem da distribuição. "Não há nenhum pensamento de discussão a esse respeito. A Petrobras fixa seus preços de acordo com as condições de mercado e da produção da empresa", ressaltou. - Em relação a outros fatores, no entanto, existem sim diversos fatores que adicionam preço.

Questionado sobre a oscilação no preço das ações da Petrobras depois da entrevista concedeu à CBN, Meirelles diz que foi uma reação "normal" do mercado, que busca "ganhar" e depois se ajusta.

O ministro afirmou que não há prazo para fazer alterações e que nada disso deverá sair antes de 6 de abril, quando deverá decidir se permanece na Fazenda ou se sairá para tentar concorrer na eleição presidencial.

Meirelles disse que, por exemplo, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) está analisando alguma ação contra as distribuidoras de gás, mas que o órgão que trata da concorrência é autônomo.

Notícias relacionadas: