Hospital do Porto abre inquérito a "agressão selvática" a quatro profissionais

PSP considera desnecessário reforço policial no Hospital S. João após episódio de violência

Dois dos agressores foram identificados pela PSP, que vai continuar a fazer diligências para identificar os restantes indivíduos envolvidos no incidente.

Na sequência de uma alegada demora de atendimento do doente, foram agredidos dois enfermeiros, um auxiliar e um segurança. Apesar do sucedido, fonte da Polícia de Segurança Pública afirma ao Expresso que não "há motivo para um reforço" policial no hospital ou nas imediações, por considerar tratar-se de um "caso isolado".

Após a intervenção do agente, que segundo o JN chegou mesmo a efetuar um disparo com a arma de serviço de forma a assustar os agressores, este foi ainda alvo de uma tentativa de atropelamento, quando os autores dos desacatos se puseram em fuga.

A PSP destacou para o local vários reforços.

O Hospital de São João, no Porto, abriu um inquérito para esclarecer as circunstâncias em que aconteceram as agressões "selváticas" a quatro profissionais do serviço de Urgência, na terça-feira à noite, sendo que uma das vítimas teve de ficar internada.

O CHSJ diz que o doente "foi triado de acordo com os procedimentos normais e cumprindo todos os tempos previstos".

Em comunicado enviado à agência Lusa, o conselho de administração do CHSJ refere ainda que comunicou os factos às autoridades competentes e manifesta "toda a solidariedade" para com os profissionais envolvidos.

Notícias relacionadas: