Cai produção têxtil e de roupas em novembro

Produção industrial gaúcha é a quarta que mais cresceu em novembro, diz IBGE

Já entre as seis regiões com queda na produção, os resultados negativos mais intensos em novembro foram anotados no Amazonas (recuo de 3,7%) e Rio de Janeiro, que, ao cair 2,9%, eliminou parte da expansão de 13,3% acumulada entre agosto e outubro.O Ceará fechou com redução de 2,3%.

Na comparação anual de novembro, a indústria do bloco ampliou a produção em 3,2%, variação que também superou a projeção do mercado, de ganho de 2,9%. A produção industrial do Amazonas cresceu 0,6%, em novembro de 2017, frente a igual mês do ano anterior, com apenas quatro das dez atividades pesquisadas assinalando aumento na produção. Já a industria nacional cresceu 0,2%. As principais contribuições positivas ficaram com Produtos químicos (29,9%) e Veículos (30,8%), influenciada pela maior fabricação de etileno e propeno não-saturado, polietileno linear, polietileno de alta densidade (PEAD) e benzeno, no primeiro; e de automóveis, no segundo.

A Bahia, com queda de 2,7%, teve o recuo mais intenso no índice acumulado no ano, pressionada pela queda nos setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis.

O pesquisador explicou que a extração de minério de ferro (bruto ou beneficiado) tem grande importância na estrutura industrial do Pará, onde "a atividade responde por 77% do total da indústria local e vem sendo impulsionada pelo aumento das exportações", finalizou. Com relação ao crescimento da indústria no acumulado de 2017, frente ao período janeiro/ novembro de 2016, Mato Grosso se mantém acima da média nacional, de 2,3%, e ocupa a quarta colocação entre os estados com maior expansão, com 4,5%. A Região Nordeste (-0,5%) e Pernambuco (-0,5%) também acusaram taxas negativas. Vale citar ainda o crescimento em Couros, artigos para viagem e calçados (6,8%), Produtos de borracha e de material plástico (7,0%) e Produtos alimentícios (1,9%).

No acumulado dos últimos 12 meses, comparado com o mesmo período do ano anterior, a taxa da produção industrial baiana registrou decréscimo de 3,2%. No período, houve queda de 3,7% na produção industrial local.

Notícias relacionadas: