'Melhor que Meirelles fique na Fazenda', diz Temer a jornal

Maia Denúncias contra Temer pesaram para rebaixamento do Brasil

Em entrevista ao jornal "O Estado de S.Paulo" desta quinta-feira (11), o presidente Michel Temer (MDB) demonstrou simpatia pela candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) ao Planalto.

Na avaliação de Temer, o eleitor brasileiro vai votar na "segurança e na serenidade” e Alckmin - chamado por alguns de "picolé de chuchu” pelo seu estilo insosso - preenche esses requisitos".

- As pessoas estão cansadas de tudo isso (a confluência de crises) e vão querer a continuidade, a manutenção do nosso programa de governo, que está recuperando a economia e a tranquilidade.

- Ninguém quer aventura - afirma o mentor da manobra que encerrou o período democrático no país.

Já sobre Rodrigo Maia, presidente da Câmara, Temer acredita que ele tende a buscar a reeleição com os congressistas. "Ele (Alckmin) deve ter tido os motivos dele, e isso passou". "Ele seria um grande presidente, mas, para mim, é claro que é muito melhor que fique na Fazenda.”". "O Rodrigo está se movimentando muito, mas ainda acho que a prioridade dele é se reeleger para a Presidência da Câmara, que é um cargo excepcional. E é aquela história, 'se colar, colou'", comentou o presidente.

Temer reiterou que o governo pretende se ocupar da sucessão presidencial somente a partir de março; após a votação da reforma da Previdência no Congresso.

Perguntado se já tem os 308 votos necessários na Câmara para aprovar a medida, Temer reconheceu que "ainda não". O "Estado" relata que, segundo Temer, há sinais de que deputados antes refratários à proposta começam a se dizer mais flexíveis.

Notícias relacionadas: