Justiça decide manter Maluf na Papuda

Tiago Queiroz  Estadão

O Instituto Médico Legal (IML) concluiu, depois de realizar uma perícia, que o deputado Paulo Maluf (PP-SP) sofre de doenças graves, mas isso não impede que ele continue preso. Mas no caso concreto a preocupação é específica: o Dr. Paulo tem 86 anos e possui, reconhecidamente e inquestionavelmente, 3 doenças sérias, graves.

Na segunda-feira (8), o juiz afirmou que as respostas do CDP sobre os questionamentos da defesa não haviam sido respondidas de maneira satisfatória. Por isso, ele determinou que o CDP se manifestasse até esta terça-feira sobre os questionamentos apresentados pela defesa do parlamentar. O Supremo assumiu o caso após a eleição de Maluf como deputado federal.

Os advogados de Maluf pedem a prisão domiciliar por razões humanitárias, levando em conta os problemas de saúde do deputado.

O prazo para o IML enviar as respostas dos questionamentos da defesa terminou na última segunda-feira, assim como para o CDP. No entanto, esse ponto foi citado pelo juiz Bruno Macacari, da Vara de Execuções Penais (VEP) de Brasília, em uma decisão que deu mais 24 horas para que a Penitenciária da Papuda, em Brasília, onde o parlamentar está preso, preste esclarecimentos mais detalhados sobre a estrutura do estabelecimento para lidar com os problemas de saúde de Maluf. A defesa espera que este aprofundamento da questão sirva para uma análise da falência do sistema prisional brasileiro.

Idade avançada pode alterar o regime de prisão de Maluf? A primeira manifestação foi por meio de nota, e depois, no dia 4, à Justiça, pedindo novamente que concedesse a prisão domiciliar para o deputado e ex-prefeito de São Paulo (1993/1996).

O objetivo da defesa é obter autorização para que Maluf cumpra em casa a pena de 7 anos e 9 meses de prisão a que foi condenado por lavagem de dinheiro.

Porto Alegre - O presidente do PTB, Roberto Jefferson, alegou ontem que sua filha, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), está sofrendo reprimendas por seus laços familiares.

A defesa do Dr. Paulo Maluf aguarda o acesso às respostas complementares do IML e CDP determinadas pelo Juiz da VEP.

Representante do deputado federal, o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro ressaltou que informações prestadas pela Secretaria da Segurança Pública e Paz Social do DF a respeito do horário de atendimento médico no complexo penitenciário "inviabiliza qualquer hipótese de poder dar a garantia necessária em caso de uma emergência noturna".

Entende a defesa que cumpre seu papel para trazer luz a um sistema caótico e desumano. "Nos parece evidente a absoluta impossibilidade de cumprir a pena no regime fechado nestas circunstâncias", afirmou em nota.

Notícias relacionadas: