Entenda como vai funcionar a nova conta de luz

Primeira etapa da tarifa branca da conta de luz poderá ser adotada por 4 milhões de unidades consumidoras

Mesmo que com a tarifa Branca a energia consumida fora do horário de ponta fique mais barata, o consumidor deve prestar muita atenção antes de aderir, pois nesse tipo de tarifa o consumo em horário de pico pode gerar aumento na conta de luz, como explica o presidente da Abradee Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica, Nelson Fonseca Leite. "A Tarifa Branca só é vantajoso para aqueles consumidores que conseguirem deslocar o consumo de energia elétrica do período de ponta (das 18h às 21h) para o de fora de ponta (das 22h às 17h)". "Horários com maior consumo dos usuários exigem investimentos para ampliar a capacidade das redes elétricas e, por isso, tendem a ter os custos mais elevados do que noutros horários de menor consumo", explica a Agência Nacional de Energia Elétrica.

A partir do ano que vem, a todo novo consumidor de energia já será oferecida a opção da tarifa branca. A novidade é válida para distribuidoras de energia de todo país.

A recomendação é que antes de fazer a adesão, o consumidor deve certificar-se de que será, de fato, vantajoso para sua casa ou seu negócio.

Uma dica da Proteste é que o consumidor não opte pelo novo sistema se ele e sua família só têm o fim da tarde e o início da noite livres.

Nos dias úteis, o valor da tarifa branca vai variar de acordo com três horários, chamados de postos tarifários: ponta, intermediário e fora de ponta.

Os consumidores que consomem mais de 500 kWh por mês serão os primeiros a poderem migrar para a taria branca; já os que consomem acima de 250 kWh, a opção será disponibilizada a partir de 2019; abaixo dessa faixa, será possível aderir à esse modelo somente a partir de 2020. Não poderão aderir a tarifa quem já está incluído na chamada tarifa social de energia nem os grandes consumidores, como indústria, por exemplo. Um exemplo é que o consumidor poderá escolher quando é mais vantajoso lavar e passar roupas ou ligar o ar-condicionado. "É totalmente voluntário, mas é preciso fazer as contas para ver se vale a pena", explicou Leite.

"Tem que ter cuidado ao escolher a tarifa branca". A distribuidora será responsável pela aquisição e instalação do medidor, sem custo algum para o consumidor.

Caso queira voltar atrás, o consumidor poderá solicitar o retorno à tarifa convencional a qualquer momento.

Notícias relacionadas: