Copom reduz juros básicos para 7% ao ano, menor nível da história

Copom inicia reunião que pode levar juro para mínima histórica de 7%

"Acompanhando a decisão do Copom, o Banco do Brasil e demais grandes bancos já anunciaram corte de taxas", disse. "Para frente, o Comitê entende que o atual estágio do ciclo recomenda cautela na condução da política monetária".

- Hoje, o Banco Central cortou novamente a taxa de juros.

Na ata da reunião de outubro, os membros do colegiado avaliaram a extensão do ciclo e a conveniência de uma sinalização sobre os passos seguintes à reunião de dezembro, mas houve consenso em manter liberdade de ação e adiar qualquer sinalização sobre as decisões futuras de forma a incorporar novas informações sobre a evolução do cenário básico e do balanço de riscos.

A mínima histórica da Selic, de 7,25 por cento, havia sido atingida em outubro de 2012, durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

Diante da conjuntura, a maioria dos agentes econômicos já esperava nova dose de afrouxamento monetário em fevereiro, primeira reunião do Copom em 2018.

A investida de agora dá sequência à estratégia do BC de seguir cortando os juros para dar ímpeto à atividade num quadro de inflação baixa, expectativas ancoradas e recuperação econômica ainda gradual. É fato que (o BC) deixou portas abertas. De abril a setembro, o Copom reduziu a Selic em um ponto percentual. Nesse caso, o recuo nos preços quer dizer que algo vai mal com a economia.

Na reunião de outubro, as projeções de inflação apresentadas pelo BC, considerando Selic de 7% no fim deste e do próximo ano e de 8% em 2019, apontam para IPCA de 3,3% para 2017, 4,3% para 2018 e 4,2% para 2019.

"O Comitê julga que o cenário básico para a inflação tem evoluído, em boa medida, conforme o esperado". Nos últimos 12 meses, o IPCA _ índice usado no sistema de metas do governo _ está em 2,7%.

Notícias relacionadas: