STF adia decisão sobre pedido de liberdade de Wesley Batista

Divulgação

Não há data para julgamento ser retomado.

A Segunda Turma é formada pelos ministros Edson Fachin, Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli.

Um dos sócios do grupo J&F, empresário está preso desde setembro por suspeita de usar informações privilegiadas para lucrar no mercado financeiro.

A defesa alegou que a situação processual de Wesley não tem relação com a quebra da imunidade penal do irmão dele, Joesley Batista.

A defesa de Wesley argumenta que a Justiça federal em São Paulo não poderia passar por cima de benefícios da delação premiada e decretar a prisão do empresário.

"Wesley é um trabalhador e um empresário que está preso inequivocamente em função de seu nome", disse o defensor, Ticiano Figueiredo.

Notícias relacionadas: