Mãe recusa-se a enterrar a filha por acreditar que está viva

Família quer que IML ateste morte de menina

A jovem foi declarada morta no último domingo (12), mas seus parentes afirmam que ela está viva, inclusive com batimentos cardíacos e respiração. Ela tem sinais de vida. A mãe dela, Teresa Cristina Gouveia, de 48 anos, exige a presença de um médico legista para confirmar o óbito da filha. "De lá, ela estava quase em coma quando foi transferida para o Hospital Vida na segunda passada, onde atestaram o óbito dela no domingo", revelou o irmão Davi César Mendes, que também acha que a irmã está viva.

Há cerca de duas semanas, Débora Isis Mendes de Gouveia, 18 anos de idade, deu entrada no Hospital Geral do Estado (HGE) após passar mal, foi medicada e liberada. Na certidão de óbito consta que ela morreu devido a infecção renal. "Acredito que minha filha está viva", diz Teresa, citada pela publicação. O problema de saúde se agravou e ela teve uma infecção nos rins e precisou ser transferida.

Desde então a jovem está no caixão, mas a mãe e familiares se recusam a enterrar a jovem. Segundo Teresa a família apresenta histórico de catalepsia - doença patológica que causa rigidez no corpo, mas deixa a pessoa consciente - ela acredita que a filha sofre com o problema."Quando deu um ataque em mim, eu tive uma dor muito forte na perna e eu fiquei assim, só retornei depois de quatro dias", disse Teresa em entrevista à TV Gazeta de Alagoas. Esse problema acontece na família. Porém a família acredita que Débora não está morta.

Família quer que IML ateste morte de menina
Mãe recusa enterro da filha por acreditar que jovem ainda está viva

O delegado Manuel Wanderley Cavalcante este no local para investigar o caso. "Vou instaurar procedimento de investigação".

O corpo foi levado para o Instituto de Medicina Legal (IML), em Maceió, para ser submetido a uma necropsia.

Notícias relacionadas: