Calado pede a Centeno "reconhecimento" pelo esforço dos madeirenses

Calado quer sensibilizar Centeno para dificuldades

Pedro Calado foi recebido, hoje, pelo ministro das Finanças, a quem apresentou os diversos dossiers pendentes, entre a Região e a República. Segundo o vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Mário Centeno mostrou-se "sensível" às questões levantadas.

Pedro Calado explica que se a taxa de juro do empréstimo regional fosse a mesma da Região pouparia-se "12 milhões de euros por ano" o que nas suas contas significa que "até 2040 estamos a falar quase de 400 milhões de euros" que afirma ser "quase o valor o valor de construção do Novo Hospital".

Em causa estão cerca de 140 milhões de euros em dívida. "Não faz qualquer sentido, porque a República não é um banco", sublinha.

Um conjunto de situações que criam dificuldades ao governo regional e que Calado espera ver resolvidas.

Nesta reunião, a vice-presidência adianta que Pedro Calado reforçou também a necessidade de os dois governos "não perderem tempo com a dialética partidária", solicitando que o ministro fizesse ver junto dos seus serviços que "essa dialética não ajuda na materialização de soluções que resolvam os problemas dos cidadãos".

Notícias relacionadas: