Presidente da Fifa diz que seria injusto Messi não vencer uma Copa

Miranda é titular incontestável da Seleção de Tite

O presidente da Fifa, Giani Infantino, comentou o drama vivido pela Argentina para conquistar a classificação para a Copa do Mundo da Rússia.

Melhor marcador e melhor jogador do Mundial'78, Kempes espera que a equipa orientada por Jorge Sampaoli não falhe esta terça-feira à noite - já de madrugada em Portugal (00h30) - no encontro com o Equador, no qual a Argentina está obrigada a ganhar.

Mesmo que não consiga o feito em 2018, o presidente vê chances disso acontecer no Qatar, em 2022, quandoo argentino terá 35 anos: "Pode ser, pode ser (que Messi jogue em 2022). Sim, Messi também tem de ganhar uma".

"Messi é um dos atores principais e absolutos do futebol de hoje, alguém que namora a bola e joga de forma absolutamente incrível", disse Infantino, que não se esqueceu de Maradona, estando ele a ser entrevistado para um órgão de comunicação argentino. "Essa é a beleza do futebol", disse.

Os argentinos temem que o Brasil possa entregar o jogo para os chilenos e, desta forma, dificultar uma classificação da Argentina para a Copa. Quando o vemos jogar, parece que ninguém pode tocá-lo. Os dois marcaram uma época: os anos 80 e 90 foram de Maradona; esses últimos 10 anos, de Messi. Nunca se machuca, nunca fica doente.

"Um Mundial sem a Argentina e sem Messi seria uma catástrofe". Mas claro, Maradona também ganhou uma Copa. "Nunca se lesiona. E é tão rápido que, mesmo que o queiram apanhar, não conseguem".

Notícias relacionadas: