Apesar de recomendação do MPF, Santander decide não reabrir 'Queermuseu'

Divulgação

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul (MPF/RS) recomendou, nesta quinta, a imediata reabertura da exposição "Queermuseu - Cartografias da diferença da arte brasileira", informou o site do MPF. A data para encerramento da exibição estava marcada para o dia 8 de outubro, mas foi fechada após protestos de um grupo de pessoas ligados ao Movimento Brasil Livre (MBL). As reações à exposição foram capitaneadas por grupos conservadores.

No comunicado, o procurador regional dos direitos do cidadão, Fabiano de Moraes, ressalta que a atitude de fechar a exposição é prejudicial à liberdade de expressão artística. O MPF deu prazo de 24h para o Santander Cultural responder se acatará ou não a recomendação. Apesar de não ser obrigada a reabrir a exposição, a instituição pode enfrentar ação judicial.

Conforme ele, as obras que trouxeram revolta em postagens nas redes sociais não tem apologia ou incentivo à pedofilia, conforme manifestação pública, divulgada por diversos meios de comunicação, dos promotores de Justiça do Ministério Público do Rio Grande do Sul com atribuição na garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes que estiveram visitando as obras. Com informações da Assessoria de Imprensa do MPF-RS.

Notícias relacionadas: