Janot é flagrado com advogado de Joesley em bar de Brasília

Antagonista

Na noite anterior, o procurador havia pedido a prisão de Joesley e do executivo Ricardo Saud.

A tendência da Corte é manter Janot - que está na sua última semana na chefia do Ministério Público Federal - na apuração, apesar da surpresa causada no STF com os acontecimentos envolvendo áudios de delatores e o encontro do procurador-geral com um advogado do empresário Joesley Batista.

Está informação veio diretamente do site " O Antagonista" que foi responsável também por produzir uma foto dos dois conversando.

Bottini confirmou à Folha o encontro. Em nota, o procurador-geral da República disse ser cliente do estabelecimento: "Acerca da nota publicada pelo site O Antagonista, a Procuradoria-Geral da República esclarece que o procurador-geral da República frequenta o local rotineiramente". O procurador concluiu a nota dizendo que a cordialidade e boa educação demonstram apreço entre dois profissionais da área jurídica. Por uma questão de gentileza, nos cumprimentamos e trocamos algumas palavras, de forma cordial.

O advogado afirmou ainda que não trataram de "qualquer questão afeita a temas jurídicos" e disse que a conversa "foi uma demonstração de que as diferenças no campo judicial não devem extrapolar para a ausência de cordialidade no plano das relações pessoais". A prisão foi concretizada no período da tarde após a apresentação espontânea dos réus na Superintendência da Polícia Federal em São Paulo. Em primeiro lugar, por causa do conteúdo das novas gravações: coloca Janot em uma situação mais do que desconfortável, quase criminoso, pois Joesley e seu empregado afirmam, nesse diálogo, que o promotor geral sabia tudo, isto é, estava ciente do que qual seria o testemunho.

Notícias relacionadas: