Furacão Irma perde parte da força e chega a categoria 2 — EUA

Boletim das 11am do NHC

O furacão de categoria 5, que já passou pelas Ilhas Virgens e deve atingir o território norte-americano de Porto Rico nesta quarta (7), pode chegar à Flórida no sábado com ventos de 295 quilômetros por hora, enquanto os Estados Unidos ainda se recuperam dos desastres provocados pela tempestade Harvey, no Texas.

Este furacão, o mais poderoso registado no Atlântico, causou pelo menos 21 mortos à passagem pelas Antilhas Menores e Porto Rico, e destruiu a ilha de Barbuda e a parte francesa de Saint-Martin.

"Claramente, o relatório que recebemos em Camp David nesta manhã levou o presidente a ter uma grande preocupação com o impacto desta tempestade e com o potencial através de fortes ventos e tempestades para afetar cidades e vidas", disse o vice-presidente Mike Pence a repórteres.

Na República Dominicana o furacão obrigou a evacuar 19.000 pessoas.

Às 16H00 GMT (13H00 em Brasília), o olho do furacão estava situado 190 km ao nordeste da cidade de Nuevitas, na província de Camagüey, avançando em direção ao noroeste a 22km/h, indicou o Instituto de Meteorologia de Cuba (Insmet). "Contudo, o Irma pode reter muita da sua força", tinha afirmado minutos antes à Reuters o meteorologista Jason Setree, do Commodity Weather Group.

O Irma avança na categoria 5, o nível mais potente possível na escala Saffir-Simpsons, e pode provocar ondas gigantes. Logo depois de devastar as ilhas caribenhas, o fenômeno atinge Cuba e se encaminha para o estado norte-americano da Flórida.

Irma causa destruição por onde passa
Irma causa destruição por onde passa

Depois de Cuba, espera-se que Irma vá para o sudeste dos Estados Unidos, atingindo primeiro a Flórida, e depois a Geórgia e Carolina do Sul.

Pelo menos 430 mil pessoas estão sem energia na Flórida devido à chuva e fortes ventos causados pela aproximação do furacão, segundo o governador do Estado, Rick Scott.

Em meio à situação de alerta, o presidente Donald Trump tuitou "sejam prudentes, permaneçam em lugares seguros!".

Na Flórida, habituada a furacões, os moradores já enfrentam dificuldades para estocar produtos como água, gás, enlatados, pilha, bateria, lanterna e madeira para proteger janelas.

E antes mesmo da chegada do Irma, caribenhos e americanos já têm uma nova tempestade com a qual se preocupar: seguindo a trajetória do Irma, a tempestade tropical José, ainda no Atlântico, também ruma para o continente, e deve registrar ventos de até 165 km/h. Esta é a primeira vez em 100 anos que um furacão desta intensidade atinge a ilha.

Notícias relacionadas: