Furacão Irma atinge Cuba com ventos de 250 km/he perde força

Furacão

O furacão Irma já esteve na categoria máxima na escala Saffir-Simpson (5), já passou para categoria 4 e agora desce para 3, poucas horas antes de tocar terra no sul da Florida. Espera-se que tal aconteça na madrugada de hoje para domingo. As ilhas de Saint-Martin e Saint-Barthélemy foram atingidas severamente, com vastos danos em propriedades e infraestruturas.

Outro furacão, o José, também se formou no Oceano Atlântico e atravessa o Caribe.

Já Brock Long estima que 100 mil pessoas possam vir a precisar de ser deslocadas e de procurar abrigo alternativo durante a passagem da tempestade. Nas Ilhas Virgens americanas, o hospital de St. Thomas ficou destruído e o porto em ruínas, assim como centenas de residências e dezenas de empresas.

Companhias aéreas brasileiras cancelaram voos aos Estados Unidos por causa do furacão Irma, que deve chegar à Flórida na noite deste sábado, 9.

Segundo a divisão estadual da agência de situações de emergência dos EUA (FEMA) 5,6 milhões de pessoas, cerca de um quarto da população total da Florida, estão abrangida pelas ordens de evacuação, naquela que é já considerada a maior operação do género da História dos EUA.

O fenómeno deve alcançar o território este domingo. "Esta é a tempestade mais catastrófica que o estado já viu", sublinhou o governante.

O Centro Nacional de Furacões norte-americano informou, entretanto, que o percurso previsto para o Irma se modificou.

Às 6h da manhã (7h de Brasília), o centro do furacão de categoria 4 estava cerca de 50 quilômetros a sul-sudeste de Key West, na Flórida, se movimentando para o noroeste a 13 km/h, segundo informações do Centro Nacional de Furacões dos EUA.

Com estas chuvas chegaram também os primeiros cortes de luz, apesar de os enormes ventos do furacão, de 215 quilômetros por hora, com sequências mais fortes, quase não serem sentidos ainda em Miami.

Notícias relacionadas: