Produção industrial cresce em 11 dos 15 locais pesquisados, revela IBGE

Brasil tem menor inflação anual dos últimos 23 anos

A taxa acumulada em 12 meses foi de 1,73%.

Já o acumulado entre janeiro e agosto está em 1,62%, a menor taxa para o período desde a implantação do Plano Real.

A taxa em 12 meses da inflação brasileira já está abaixo do piso da meta estabelecida pelo Governo para 2017, que neste ano é de 4,5% com tolerância de 1,5 pontos percentuais para baixo ou para cima. Em julho, o IPCA registrou alta de 0,24%. Os alimentos para consumo em casa recuaram 1,84%, após a queda de 0,81% de julho. Os destaques foram feijão carioca (-14,86%), tomate (-13,85%), açúcar cristal (-5,90%), leite longa vida (-4,26%), frutas (-2,57%) e carnes (-1,75%). Os preços menos salgados são resultado da safra recorde de produtos agrícolas: quanto mais produtos no mercado, mais baratos para o consumidor. A maior evolução nos preços em agosto foi verificada em Goiás com 1,61%.

O litro do etanol também encareceu 5,71% no mês, assim como a gasolina, que subiu 7,19% por conta do aumento na alíquota do PIS/COFINS, vigentes desde julho e da política de reajustes de preços dos combustíveis. O melhor desempenho acumulado é o do Pará, com alta de 3,7%.

O balanço entre a queda dos alimentos e a alta dos combustíveis foi positivo para o bolso do consumidor.

Para os consumidores a alta dos preços diminuiu a pressão, já que o avanço do Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI) desacelerou a 0,13% em agosto, sobre 0,38% no período anterior. Já o grupo de alimentação e bebidas, mais pesado, teve peso exatamente igual, de 0,27 ponto, porém de sinal trocado, negativo.

As tarifas de energia elétrica também subiram no mês passado, evitando que o IPCA ficasse ainda menor.

O Rio Grande do Sul registrou queda de 1,5% na indústria local na passagem de junho para julho, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgados nesta quarta-feira (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São, agora, quatro meses de alta. Em agosto de 2016, o índice havia registrado variação de 0,44%.

Juntos, habitação (principalmente energia) e transportes (incluindo combustíveis) tiveram impacto de 0,36 ponto percentual sobre o IPCA do mês passado.

Nas últimas semanas, analistas têm visto com otimismo o comportamento dos preços no país. No ano, a produção de bens de capital sobe 3,7%.

"O Brasil foi um dos países que derrubou mais rapidamente suas taxas de fecundidade, que já foi de 4 filhos por mulheres nos anos 80 e hoje está em 1.7, índice comparável aos de países desenvolvidos, como Canadá e Estados Unidos". Com os números recentes, o BC pode levar os juros para mais próximo de 7%, ainda que tenha que voltar a elevá-los no ano que vem - avaliou o economista da Votorantim Corretora Carlos Lopes, que vai reduzir sua projeção de Selic de 8% este ano.

Notícias relacionadas: