EUA poderiam conduzir ação militar na Venezuela — Trump

Maduro quer se reunir pessoalmente com Trump

Nesta sexta-feira (11), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que poderá realizar uma ação militar na Venezuela devido a crítica situação que o país está passando, com a falta de comida e uma das maiores inflações do mundo, e pelas ações que estão sendo implementadas pelo presidente Nicolás Maduro.

Nesta quinta-feira (10), o ditador venezuelano, Nicolás Maduro, havia dito que pediu ao chanceler venezuelano que ele contatasse Washington para tentar arranjar um telefonema com Trump, ou até mesmo um encontro durante a Assembleia Geral da ONU, em setembro, em Nova York. Um dia antes, Maduro convidara Trump para um diálogo. "Estamos em todo o mundo, e temos tropas em todo o mundo, em lugares que são muito longe". Venham falar comigo, então!

O venezuelano disse que quer relações tão fortes com os EUA como as que ele tem com a Rússia. "Estou às vossas ordens enquanto Chefe de Estado e de Governo", expressou.

"Como chefe de Estado me subordino aos poderes dessa Assembleia Constituinte", acrescentou. Por sua vez, o ministro de Comunicação, Ernesto Villegas, disse que a "gravíssima declaração de Trump" é uma ameaça inédita à soberania nacional. Ela foi rejeitada pela oposição venezuelana, além de não ser reconhecida por boa parte da comunidade internacional.

Em pouco mais de quatro meses de manifestações diárias, cerca de 120 pessoas já morreram, sendo que 73 delas foram assassinadas pelas forças de segurança ou por milícias chavistas, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh). Na foto: Os 33 países da CELAC: Antígua e Barbuda, Argentina, Bahamas, Barbados, Belize, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, República Dominicana, Domínica, Equador, El Salvador, Granada, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Jamaica, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Perú, Santa Lúcia, S. Cristóvão e Neves, San Vicente e Granadinas, Suriname, Trinidad e Tobago, Uruguai, Venezuela.

Notícias relacionadas: