Comissão eleitoral do Quénia anuncia vitória do presidente Uhuru Kenyatta

Violência pós-eleitoral no Quénia agrava-se e aumenta número de mortos

Segundo informação da polícia à Reuters, chegaram à morgue central de Nairobi os corpos de nove homens jovens abatidos no bairro de lata de Mathare durante uma operação anti-pilhagem.

A agência Efe afirma, citando as ONGs Human Rights Watch e Compromisso e a mídia local, foram registradas mortes em Kisumu, Mathare (Nairobi) e em Siaya. A menina estava numa varanda quando foi atingida por uma bala, revelou o seu pai à AFP.

O Presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, foi declarado vencedor das eleições realizadas na passada terça-feira.

"Não vamos nos deixar intimidar".

Muthama considerou que a repressão dos motins pela polícia constitui uma tentativa "de submeter" a oposição, adiantando que as forças de segurança mataram "mais de 100 quenianos inocentes, entre os quais 10 crianças", sem no entanto fornecer quaisquer provas. Nenhuma evidência dessas mortes foi divulgada ainda pela oposição.

O presidente queniano, Uhuru Kenyatta, foi reeleito para um segundo mandato, anunciou em Nairobi a comissão eleitoral do país.

"No momento oportuno diremos como vamos conduzir a nossa ação", adiantou o responsável da oposição.

A polícia do Quénia destacou agentes para diferentes zonas do país por prever protestos quando fossem divulgados os resultados definitivos das eleições e, previsivelmente, confirmada a vitória do presidente Uhuru Kenyatta.

A violência pós-eleitoral reflete as tensões étnicas que dividem o Quénia, uma nação de 45 milhões de cidadãos que é o coração comercial da África Oriental.

Notícias relacionadas: