André Ventura garante: "Nada me move contra a comunidade cigana"

Bernardino Soares:

"Nunca foi minha intenção estimular ou aprofundar este tipo de sentimentos no debate público", acrescentou.

As declarações de André Ventura provocam ondas de choque.

André Ventura, diz a queixa, "não só difama (ou insulta, cremos até que ambas as condutas são praticadas) as pessoas de etnia cigana, dizendo que estas são beneficiadas quando comparadas com as demais" como "incita explicitamente à discriminação destas pessoas, chegando até a usar de uma ameaça velada quando refere que 'temos tido uma excessiva tolerância com alguns grupos e minorias étnicas'". Face à polémica desencadeada por uma sua entrevista ao jornal i - onde se insurge contra as pessoas que "vivem quase exclusivamente de subsídios do Estado" e que acham "que estão acima das regras do Estado de direito", assumindo que tal acontece particularmente com a etnia cigana -, André Ventura entendeu enviar um comunicado à revista Sábado. De resto, ao longo da minha vida sempre convivi bem com pessoas de várias raças e etnias e diferentes credos.

"Na Quinta da Fonte, o comandante da polícia diz-me que são chamados lá só para serem agredidos", afiança ainda o candidato PSD/CDS, notando que "o Estado de direito não pode ter medo de grupo nenhum nem de minorias nenhumas". Já o seu homólogo do CDS-PP afirmara aguardar que "possam ser cabalmente esclarecidas" as declarações do candidato; "O CDS é leal às coligações em que está envolvido e, nesta fase, será no interior da coligação que o CDS vai pronunciar-se sobre este assunto", disse João Gonçalves Pereira.

As críticas de Seixas da Costa a André Ventura arrancam vários comentários de concordância com as críticas feitas aos ciganos pelo candidato a Loures, mas também há muito quem as repudie. Nunca desilude na impreparação e no gosto em ser o porta-estandarte das mais variadas e assustadoras turbas. Contactado pela SÁBADO, o recém-eleito presidente da distrital de Lisboa, Pedro Pinto, afirma que "o PSD não é um partido em que exista algum tipo de discriminação racial ou de que tipo for" e procura esvaziar a polémica ao realçar que a intenção de André Ventura não terá sido dessa natureza. Francisco Mendes da Silva, dirigente centrista, escreveu que "Não há praticamente nada que André Ventura diga que eu não considere profundamente errado, ligeiro, fruto da ignorância e de um populismo que tanto pode ser gratuito, telegénico ou eleitoralista". "Se a intenção fosse essa, isso não existe no PSD", completa o dirigente social-democrata.

Anteriormente, André Ventura, advogado militante do PSD e que encabeça agora a coligação "Loures Primeiro", já tinha proferido declarações semelhantes ao Notícias ao Minuto.

Notícias relacionadas: