Morreu Maryam Mirzakhani, a primeira mulher com o maior prémio da matemática

O interesse de Maryam pelos números se manifestou já no ensino médio.

"Uma luz foi apagada hoje". Isso quebra o meu coração. "Um génio? Sim. Mas também uma filha, mãe e esposa".

Segundo o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), a iraniana fez graduação em matemática na Sharif University of Technology em 1999 e doutorado na mesma área em Harvard, em 2004. Além da medalha Fields, Maryam recebeu o Prêmio Blumenthal 2009 para o Avanço da Pesquisa em Matemática Pura e o Prêmio Satter 2013 da American Mathematical Society. Quando recebeu uma mensagem anunciando que seria premiada, ela chegou a achar que era alvo de um e-mail hackeado.

A professora Dra. Frances Kirwan, membro do comitê de seleção de medalhas da Universidade de Oxford, disse na época: "Espero que este prêmio inspire muitas outras meninas, neste país e ao redor do mundo, a acreditarem em suas habilidades próprias e possam ser as Medalhistas de Campos do futuro ".

No ano passado, Maryam se tornou a primeira iraniana eleita para a Academia Nacional de Ciências dos EUA, como reconhecimento pelo "eminente e contínuo sucesso em investigação original".

Segundo a família, Maryam morreu no hospital onde estava internada, nos EUA.

Os 40 anos de idade e dona de uma mente brilhante a matemática tinham câncer de mama, que se espalhou para seus ossos.

Notícias relacionadas: