Turquia: ultimato ao Catar é contrário à lei internacional

Quatro países árabes apresentam exigências ao Qatar para pôr fim à crise

Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Egito querem que o Qatar aceite o seu ultimato de 13 pontos - supostamente destinado a combater o extremismo e o terrorismo - em troca de acabar com um bloqueio diplomático e comercial do emirado que dura quase três semanas.

Os quatro países árabes deram dez dias ao Qatar para cumprir as exigências apresentadas, incluindo uma soma não especificada em compensações.

O presidente turco disse que seu país "admira e abraça" a atitude do Qatar. "Imagine-se que outro país exige o encerramento da CNN", comenta Haseeb Mansour, qatari de 40 anos que trabalha no operador telefónico Ooredoo.

De acordo com informações avançadas esta semana, os mesmos quatro países enviaram ao Qatar uma lista de exigências para iniciar um diálogo e para pôr fim à crise diplomática. O ministro da Defesa da Turquia, Fikri Isik, rejeitou a demanda, dizendo que qualquer pedido para que a base seja fechada representaria uma interferência nas relações de Ancara com o governo qatari, insinuando que a Turquia pode reforçar sua presença. Outros aliados, como o Bahrein e o Egipto, acompanharam a decisão.

Se o Qatar concordar, o documento estabelece inspecções mensais no primeiro ano e por trimestre no segundo ano.

Doha, 24 jun (Lusa) - O Qatar anunciou hoje que está a preparar uma resposta adequada às exigências dos países árabes que cortaram relações com Doha no início de junho, salientando, porém, que tais imposições são uma "invasão à soberania" daquele país. Dentre as exigências, está a de fechar a emissora de TV Al Jazeera, reduzir laços com o Irã e fechar uma base militar da Turquia em seu território.

No passado dia 5 de Junho, várias nações árabes cortaram relações diplomáticas com o Qatar (e também comerciais através do corte das ligações por ar, terra e mar ao país) acusando Doha de apoiar o terrorismo e de contribuir para desestabilizar a região, designadamente apoiando grupos sectários e, ou, terroristas como a Irmandade Muçulmana, o Daesh, a al-Qaeda ou o Hezbollah.

Também pedem que o Catar extradite os opositores de países do Golfo e do Egito, segundo a lista de pedidos que circula nas redes sociais.

Notícias relacionadas: