Sete candidatos à sucessão de Janot apoiam investigar presidente

Janot pede a Fachin providências em inquérito contra Ciro Nogueira

Com isso, o Ministério Público Federal, após ser notificado pelo tribunal, terá cinco dias para decidir se oferece ou não denúncia no inquérito. Janot pode oferecer denúncia sem o laudo final da PF. A PGR pode fatiar a denúncia contra Temer em duas partes, sendo a primeira sem a acusação de obstrução à Justiça, que ficaria para depois da conclusão da perícia.

O prazo decorre do fato de que, na mesma apuração, o ex-deputado e ex-assessor do presidente Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) está preso preventivamente.

Isso significa que Temer deverá ser processado em quatro frentes, por corrupção passiva, organização criminosa, obstrução de Justiça e prevaricação.

Essa decisão de Janot terá impacto para a decisão que a Câmara vai tomar sobre se autoriza o Supremo a julgar a denúncia contra o presidente ou não -conforme prevê a Constituição.

O relator do caso, entretanto, decidiu deixar o inquérito original no Supremo para que a PF conclua as apurações e entregue o laudo da gravação das conversas.

Já o relatório da PF, divulgado pelo STF no último dia 20, conclui que "o silêncio do Mandatário Maior da Nação e de seu ex-assessor especial resultam incólumes as evidências que emanam do conjunto informativo formado neste autos, a indicar, com vigor, a prática de corrupção passiva". Os procuradores, no entanto, afirmam que não há uma definição sobre o modelo da acusação, se será integral ou fatiada.

Assim, o STF só poderá decidir se acolhe a acusação para abrir a ação penal se 342 dos 513 deputados federais concordarem com a denúncia da PGR. Os investigadores apontam que caberá a Rodrigo Janot bater o martelo sobre os termos. Em 2010, ele, identificado pelo codinome Cerrado, teria recebido R$ 300.000,00, em valor não contabilizado e pago pelo setor de Operações Estruturadas do grupo Odebrecht.

Essa negociação envolvendo o Cade, como já mostraram as investigações, gerou pagamento de propina, flagrado numa ação controlada da Polícia Federal, em que Loures recebe uma mala com R$ 500 mil no estacionamento de uma pizzaria em São Paulo.

Notícias relacionadas: