Google deixará de escanear conteúdo de e-mails para segmentação de anúncios

Ainda que o Google fizesse questão de explicar nos termos de serviço do Gmail que "a correspondência de anúncios com conteúdo é um processo completamente automatizado realizado por computadores, e nenhum humano lê seu e-mail para segmentar os anúncios", organizações ao redor do mundo vinham acusando a gigante da internet de quebrar o sigilo das mensagens.

A Google Cloud vende um pacote de softwares para escritórios, chamado de G Suite, que compete com a líder de mercado Microsoft. O Gmail do G Suite (para empresas) já não é lido pelo robô do Google para personalização de anúncios, e o Google decidiu seguir o exemplo no serviço Gmail de consumo gratuito - esse que todos nós usamos.

- O que nós vamos fazer é acabar com a ambiguidade - esclareceu.

A apresentação de anúncios com base em dados "lidos" de mensagens trocadas por usuários do Gmail gratuito geraram processos judiciais e algumas das críticas mais duras feitas à empresa em seus primeiros anos de operação, mas essa ferramenta oferecia às equipes de publicidade uma forma muito mais direcionada de alcançar os consumidores. As propagandas do Gmail e no site de buscas continuarão aparecendo para o usuário, o que muda é somente o método de varredura de informações que possam ser do seu interesse, que não mais vai acontecer usando o conteúdo de seus e-mails.

A capacidade de Diane impor limites a anúncios, que são a força vital do Google, mostra a crescente influência da executiva na companhia. A nota da empresa não especifica a data em que o sistema será alterado, referindo apenas que acontecerá ainda este ano.

Notícias relacionadas: