Janot reforça pedido de prisão de Aécio após foto postada no Facebook

O senador afastado Aecio Neves

A direção nacional do PSDB começa a trabalhar na contenção de danos que a eventual prisão do senador Aécio Neves (MG) poderá acarretar para a legenda.

Aécio Neves postou foto e afirmou que "Na pauta, votações no Congresso e a agenda política".

Para Janot, a foto mostra "o uso espúrio do poder político" por parte de Aécio Neves, o que é um dos motivos para a prisão dele para preservar as investigações.

Segundo o procurador-Geral, o tucano descumpriu o decreto judicial que o afastou do cargo de senador ao ter realizado reunião com os senadores, que ele está cometendo abuso de poder, se aproveita das influências de pessoas de grande poder e que usa a popularidade e instituições para realizar suas reuniões e encontros inapropriados.

"Também não convém menosprezar a periculosidade de parlamentares corruptos do quilate de Aécio Neves, tampouco dos seus comparsas de longa data, pela mera constatação de que, muito embora graves, os crimes apurados na 'Operação Lava Jato' e nos seus desdobramentos foram praticados sem violência ou grave ameaça", afirmou Janot no pedido de prisão. Rodrigo Janot disse que tem fortes provas que reforçam o pedido de prisão do tucano Aécio.

Está marcada para terça-feira (20), na Primeira Turma, o julgamento de dois recursos: um do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que quer a prisão preventiva de Aécio, e outro do próprio senador pedindo que seja assegurada sua liberdade.

Os documentos foram enviados, na última sexta-feira (9), para o STF (Supremo tribunal Federal), mais o acesso só foi permitido nesta terça-feira (13).

- Não tenho condições de dizer se ele é culpado ou não, mas tenho condições de dizer que, praticamente com todo o seu gabinete preso, processado ou pego em flagrante, e as próprias gravações, ele precisa muito rapidamente comprovar sua inocência para ter autoridade suficiente para levar esse momento difícil - sentencia.

O senador acrescentou que os deputados votarão livremente sobre a acusação contra Temer que será oferecida pela procuradoria-geral da República.

Para Janot, Aécio tem desobedecido a ordem do ministro do STF Edson Fachin, que determinou no dia 18 de maio o afastamento do parlamentar das atividades do Senado.

O tucano disse que fará de tudo para provar a inocência de seus familiares e resgatar sua moral política, que foi construída há mais de 30 anos. "Entre as cautelares determinadas não consta o impedimento de receber visitas e discutir como cidadão, e não como parlamentar, assuntos diversos", diz o texto enviado pela equipe do parlamentar afastado.

Notícias relacionadas: