Incêndio em Londres deixa pelo menos seis pessoas mortas e 50 feridas

Associação havia alertado para o perigo do incêndio em prédio de Londres

As autoridades britânicas identificaram, até ao momento, seis vítimas do incêndio que destruiu a Torre Grenfell, na quarta-feira, em Londres.

As autoridades acreditam que o balanço de mortos aumentará à medida que os bombeiros avançarem no interior do prédio carbonizado, pois há famílias sobre as quais nada se sabe.

O comandante Dan Daly, da Brigada de Incêndio de Londres, afirmou que "os bombeiros equipados com aparelhos respiratórios trabalham de maneira muito dura em condições difíceis para controlar o incêndio".

Numa conferência de imprensa realizada esta quinta-feira, o comandante da polícia londrina, Stuart Cundy, informou que, até agora, foram identificadas seis vítimas do incêndio, sem revelar mais pormenores sobre as suas identidades.

Os bombeiros devem ficar pelo menos mais 24 horas no local, até que o fogo seja extinto. Dany Cotton, chefa do departamento de bombeiros da capital britânica, já descartou o risco de desmoronamento do prédio, mas vários engenheiros estão fazendo mais testes dos elementos de sustentação. E a contagem deve aumentar, já que existem pessoas desaparecidas e internadas em hospitais da capital britânica.

Mais recentemente, na madrugada da última quarta-feira, dia 14, um prédio pegou fogo em Londres, mas não suspeita-se de um atentado. Outras testemunhas falaram de crianças, incluindo um bebê, que foram lançadas pelas janelas de andares mais altos para serem salvas.

"Em mais de 30 anos de carreira, nunca tinha visto um incêndio que devorasse um edifício inteiro desta maneira", explicou Matt Wrack, secretário-geral do Sindicato dos Bombeiros.

Após uma primeira inspeção visual com drones da cobertura do edifício e de uma verificação superficial dos andares superiores, os especialistas do departamento de bombeiros de Londres se dispõem a rever cada cômodo dos 120 apartamentos do prédio, onde havia "centenas de pessoas" quando o fogo começou, segundo os bombeiros.

"Não sei ao certo se pessoas pularam do prédio para escapar do fogo, mas a principal coisa com este incidente é o fato de os alarmes de incêndio não terem tocado", contou à BBC.

O edifício de habitação social, construído em 1974, foi submetido a obras orçadas em 8,6 milhões de libras (9,7 milhões de euros) e concluídas em maio do ano passado, de acordo com o Royal Borough of Kensington and Chelsea.

A Polícia Metropolitana de Londres informou, em sua conta no Twitter, que várias pessoas foram atendidas devido a ferimentos diversos e à inalação de fumaça, ao mesmo tempo em que se tenta resgatar as que ainda continuam dentro da torre.

Notícias relacionadas: