Vinte funcionários da Apple detidos por venderem dados pessoais

Venda dos primeiros iPhone 7 na China

Uma quadrilha de 22 pessoas que vendia dados de usuários de iPhones foi presa em Zhejiang, na China.

Dentre os dados negociados estão nomes, números de ID Apple, e números dos telefones dos clientes da empresa. Todos trabalhavam como distribuidores de produtos da Apple e comercializavam os dados para esquemas de spam e phishing, tendo acumulado cerca de US$ 7,3 milhões antes do desmonte da operação. Depois, as entradas eram compiladas em arquivos de diferentes tamanhos, que eram vendidos por valores que iam de US$ 1,50 a US$ 26. Segundo o jornal britânico The Guardian, a venda de informações pessoais é comum na China, que implementou uma polêmica e nova lei de segurança cibernética destinada a proteger as redes do país e informações de usuários. Detalhes sobre como funciona esse sistema e por que os parceiros seriam capazes de utilizá-los também não foram revelados.

Notícias relacionadas: