Reino Unido garante que convite a Trump mantém-se

JONATHAN ERNST  REUTERS  Presidente norte-americano avisa Theresa May de que não mantém a visita caso haja protestos públicos em grande escala

Numa chamada telefónica, Donald Trump disse a Theresa May, primeira-ministra britância, que não quer manter a visita de estado ao Reino Unido enquanto os britânicos não apoiarem a sua ida, de acordo com o 'The Guardian'. "A rainha [Isabel II] estendeu um convite ao Presidente Trump para visitar o Reino Unido e não há alterações a esses planos", disse uma porta-voz de Theresa May, citada pela Reuters.

A informação está a ser avançada pelo jornal Guardian.

Um alto funcionário do governo disse que May e Trump não discutiram a visita quando se falaram por telefone na sexta-feira, embora tenham abordado o assunto em ligações anteriores.

A alegada conversa entre os governantes foi divulgada por uma fonte de Downing Street que estaria presente no momento. A conversa terá acontecido nas últimas semanas e terá deixado Theresa May surpreendida.

Agora, um porta-voz do gabinete de May veio desmentir essa informação: "Não vamos comentar sobre a especulação em torno de conversas telefónicas privadas".

A possibilidade de Trump ir a Londres levantou polémica no Reino Unido, provocando a reacção, entre outros, do presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, que expressou a sua "forte oposição" a um discurso do líder norte-americano no Palácio de Westminster. Trump terá dito a May que queria suspender a visita por receio de protestos, decisão que apanhou May de surpresa.

Na sequência do convite, alguns deputados avançaram com uma moção para impedir Trump de discursar no parlamento britânico. No Twitter, Jeremy Corbyn escreveu que "o cancelamento da visita de Estado do Presidente Trump é bem-vinda, principalmente depois do ataque ao presidente da Câmara de Londres e a saída do Acordo de Paris". "O Presidente tem um respeito enorme pela primeira-ministra Theresa May".

Notícias relacionadas: